Página Inicial


 
PET'S SHOP
FAÇA SUA LOJA
PET ID
ADOTE UM PET
ACHADOS  PERDIDOS
PET MATRIMONIAL
PET TRAVEL
EVENTOS
CLUBE PETFRIENDS
PET'S E FAMOSOS
EXÓTICOS CURIOSOS
CONTOS  HISTORIAS
OPINIÕES PET'S
CAMPEÕES 
TV PET FRIENDS
ENCONTROS
ASTROLOGIA
CONSULTA ON-LINE
MUNDO VETERINÁRIO
FÓRUM
ONDE ESTAMOS
CHAT VET
FAÇA SEU SITE
CÃES
GATOS
PEIXES
AVES
RÉPTEIS
OUTROS
POSTAIS ON-LINE
JOGOS
PET'S FAMOSOS
PARA COLORIR

Mula-Sem-Cabeça, folclore ou verdade

Desde pequenos sempre ouvimos contos relacionados ao Folclore Brasileiro, e sempre ficamos na dúvida sobre a veracidade dessas histórias. Resolvemos contar a origem da Mula Sem Cabeça, pois um de nossos colaboradores, Plínio Pereira, conseguiu fotografar uma delas, no interior do Mato Grosso. Confira o conto e acredite se quiser!!!

No Brasil, as lendas e o folclore são de inúmeras procedências. As variedades são diversas e, suas influências estão diretamente ligadas a miscigenação de nosso povo. Devemos considerar que lenda não significa mentira, e nem verdade absoluta, o que deduzimos é que essas histórias são criadas, defendidas e, o mais importante, sobrevivem na memória das pessoas. Assim, pode-se acreditar que elas, com certeza, possuem um pouco de fatos verídicos.

A Mula-sem-Cabeça é uma lenda de origem pouco conhecida, é evidenciada em todo Brasil, onde sofre algumas modificações, principalmente, no nome. Em alguns lugares do país, ela é conhecida como ''Burrinha'', ''Mula-do-Padre'', ou ''Cavalo-sem-Cabeça''. É muito comum, principalmente nos Estados de Goiás e Mato-Grosso, sendo um dos mitos mais controvertidos do folclore brasileiro.

Segundo dizem, todas as mulheres que forem amantes de um padre, se transformarão em mula-sem-cabeça. Trata-se de um animal forte, bravio, sem cabeça, que possui fortes patas, calçadas com ferraduras que podem ser de aço ou prata. Seu relincho é tão estridente que pode ser ouvido bem distante, algumas vezes geme como um ser humano, e solta fogo pelo pescoço.

A mula-sem-cabeça costuma aparecer na meia noite da quinta-feira para sexta-feira. Se alguém for bastante corajoso para lhe arrancar o cabresto, conseguirá quebrar o encanto. Ou então, se algum valente conseguir picá-la com um alfinete, e se sangrar, a encantada perde o seu encantamento.

Não se sabe ao certo como surgiu o primeiro caso, porém segundo pesquisadores seria resultado de uma maneira de pensar, comportar-se e agir tipicamente relacionado a Igreja Católica, pois na sua origem a criatura seria o resultado de um pecado (aos modos, costumes, princípios e condutas da Igreja Católica), pois era o que acontecia com todas as mulheres que mantivessem uma relação amorosa com um padre.

Matérias Anteriores

inicio l quem somos l cadastre-se l contato
Copyright© 2000 PetFriends. Todos direitos reservados. All rights reserved
1